Dr. Ricardo Calvett
Centro Clínico HCB - Rua Tiradentes, 855 - sala 202 - Cachoeira do Sul - RS Segunda - Sexta 8:00-12:00 / 13:30 - 18:00 (51) 3723-3473 / (51) 9 9863-5863

Quelóides - Cicatrização

http://ricardocalvett.web7095.uni5.net/wp-content/uploads/2017/09/cicatriz-600x400.jpg

Processo de cicatrização normal
 

O processo de cicatrização normal envolve três fases: inflamatória, proliferativa e de remodelamento.
A fase inflamatória dura 24 a 48 horas, sendo caracterizada pelo desencadeamento da cascata inflamatória e de coagulação com hemostasia.
A fase proliferativa dura entre 48 horas e aproximadamente 3 semanas, sendo caracterizada pela epitelização, angiogênese e recrutamento de fibroblastos, que são responsáveis pela produção de colágeno.
A fase de remodelamento inicia com 3 semanas e dura até 12 meses. Caracteriza-se pela degradação do colágeno e organização de suas fibras, resultando em aumento da força tênsil e clareamento da cicatriz.
Vários fatores modulam o processo de cicatrização, podendo prejudicar este processo. A presença de infecção e isquemia tecidual prolongam a fase inflamatória. Outros fatores como deficiência de vitamina C, desnutrição, uso crônico de corticoides, tabagismo, irradiação, síndromes genéticas (Sd. Ehlers-Danlos, cutis laxa) também interferem nas fases inflamatória e proliferativa. A cicatrização patológica (cicatriz hipertrófica e queloides) envolve um desbalanço no processo cicatricial normal, com predomínio da fase proliferativa em detrimento da fase de remodelamento.
 

 

CICATRIZAÇÃO PATOLÓGICA (CICATRIZ HIPERTRÓFICA E QUELOIODE)
 

A cicatrização patológica envolve um desbalanço no processo cicatricial normal, com predomínio da fase proliferativa em detrimento da fase de remodelamento.
 

CICATRIZ HIPERTRÓFICA
 

A cicatriz hipertrófica tem maior incidência em relação ao queloide, ocorrendo mais em pacientes de pele clara em áreas de maior tensão da pele. A cicatriz tem aspecto elevado, mas é restrita à extensão da ferida. A maioria apresenta resolução espontânea em até 12 meses e raramente apresenta recidiva.
 

QUELOIDES
 

Os queloides têm menor incidência que a cicatriz hipertrófica, ocorrendo mais em pacientes negros. As áreas mais acometidas são orelhas, ombros, dorso e região pré-esternal. As cicatrizes crescem progressivamente e estendem-se além do limite original da ferida. Os queloides têm causa genética, não apresentam resolução espontânea e tendem à recidiva.
 

PREVENÇÃO
 

Os pacientes com histórico de cicatrizes patológicas devem ser informados quanto à possibilidade de recidiva no pós-operatório de cirurgias plásticas estéticas.
 

A técnica cirúrgica adequada no intraoperatório e os cuidados com a tensão nas cicatrizes no pós-operatório podem prevenir não somente as cicatrizes patológicas, mas também as cicatrizes alargadas e inestéticas.
 

A realização de microporagem pode aliviar a tensão nas bordas da ferida cirúrgica. O uso de placas de silicone pode ser indicado para tratar e prevenir as cicatrizes de cor mais avermelhada e com tendência a hipertrofia.
 

 

TRATAMENTO
 

O tratamento da cicatriz hipertrófica e dos queloides deve ser individualizado. As opções de tratamento incluem uso de placas de silicone, massagem e malhas compressivas (terapia compressiva), radioterapia, injeção intralesional de triancinolona e excisão cirúrgica. Outras opções incluem a combinação de tratamentos como excisão cirúrgica com aplicação de triancinolona e excisão cirúrgica associada à radioterapia.

 

Tire suas Dúvidas