Dr. Ricardo Calvett
Centro Clínico HCB - Rua Tiradentes, 855 - sala 202 - Cachoeira do Sul - RS Segunda - Sexta 8:00-12:00 / 13:30 - 18:00 (51) 3723-3473 / (51) 9 9863-5863

Ex Obesos

http://ricardocalvett.web7095.uni5.net/wp-content/uploads/2017/09/800_30c23f1f44a0aec6bc485a769bd9b861-600x400.jpg

Ex-obesos

Os ex-obesos são pacientes submetidos ao tratamento da obesidade por cirurgia bariátrica e grande reeducação alimentar. A perda de peso nesses pacientes traz grande melhora na saúde e qualidade de vida, além de mudanças no corpo caracterizadas por grande excesso de pele, geralmente situado na região do abdômen, região dorsal, região das coxas, região dos braços e das mamas. Essas alterações provocam muito desconforto devido a dificuldades de higiene, doenças na pele, dificuldades de se vestir e comprometimento da estética corporal. As cirurgias mais realizadas são dermolipectomias (ressecções do excesso cutâneo) associadas ou não a lipoaspiração do abdômen, dorso, coxas e braços. O tratamento do contorno corporal poderá ser realizado por cirurgias em sequência (uma para cada região do corpo) ou por cirurgias combinadas. A escolha do tipo de cirurgia e a sequência do tratamento devem ser discutidas em consulta médica.

Dermolipectomia de braços
Fatores como a perda de peso e o envelhecimento causam perda do tono da pele. Isto se manifesta por excesso cutâneo e frouxidão do lado de baixo do braço acompanhado de depósito de gordura.
Em indivíduos que não têm excesso de pele, mas apenas de gordura, a lipoaspiração é o tratamento mais adequado. A pele nessas pessoas costuma retrair e dar um resultado satisfatório.
A dermolipectomia é restrita aos casos em que há um excesso cutâneo evidente, podendo também ser removida parte da gordura (lipoaspiração associada). Com esta cirurgia consegue-se restaurar um aspecto mais jovem ao braço. A cirurgia inicia frequentemente com uma lipoaspiração do braço, seguida pela ressecção do excesso de pele em sua parte interna que variará de tamanho em função do caso. Ao término da cirurgia realiza-se um curativo e coloca-se uma malha compressiva local.
Geralmente o paciente poderá retornar para sua residência no mesmo dia. Devendo retornar à clínica para troca de curativos, conforme solicitado pelo cirurgião.
O repouso deverá ser relativo, mas recomenda-se não realizar atividades físicas com os braços por um período médio de 4 a 6 semanas. As cicatrizes irão passar por todas as fases até atingir sua aparência final e como todas as cicatrizes terão restrição ao sol.
 

 

Abdômen e dorso (abdominoplastia e torsoplastia)
A cirurgia de contorno corporal engloba a abdominoplastia e a torsoplastia, que consiste em uma cirurgia semelhante a do abdômen, porém na região do dorso. O excesso cutâneo nesta região é acompanhado de flacidez muscular e de acúmulo de gordura localizada. A flacidez da musculatura abdominal é tratada com a plicatura (aproximação dos músculos). A lipoaspiração é realizada para o acúmulo de gordura.

 

O excesso cutâneo é tratado pela dermolipectomia. No abdômen, as cicatrizes resultantes localizam-se na região inferior do abdômen, sobre o púbis, prolongando-se para a região lateral. A extensão da cicatriz depende do excesso de pele de cada paciente e pode se estender para o dorso. Caso seja realizada a torsoplastia (tratamento do excesso cutâneo no dorso), a cicatriz se prolongará posteriormente na região dorsal baixa, logo acima das nádegas. Outra variante de tratamento é realização da abdominoplastia em âncora, ou flor-de-lis. Neste tipo de cirurgia, as cicatrizes posicionam-se em formato de “T” invertido, pois se adiciona uma cicatriz mediana abdominal à marca transversal na parte inferior do abdômen. A adição da cicatriz vertical consegue reduzir a extensão da cicatriz transversa horizontal inferior e  pode poupar a extensão desta para o dorso, como ocorre na torsoplastia. A escolha do tipo de cirurgia é individualizada e deve ser discutida em consulta médica.
As cicatrizes geralmente são de boa qualidade e ficam escondidas pela maioria das roupas de banho. Ao término da cirurgia realiza-se um curativo e coloca-se uma malha compressiva local. Geralmente o paciente poderá retornar para sua residência após 2 dias de cirurgia. Devendo retornar à clínica conforme solicitado pelo cirurgião para troca de curativos.
O repouso deverá ser relativo, recomenda-se evitar atividades físicas por um período médio de 4 a 6 semanas. Apesar do comprimento das cicatrizes, o tipo de cirurgia traz grande conforto e satisfação aos pacientes. As cicatrizes irão passar por todas as fases até atingir sua aparência final e como todas as cicatrizes terão restrição ao sol.
 

 

Suspensão de coxas (cruroplastia / coxoplastia)
Os efeitos do tempo, da gravidade, perda de peso e da perda do tono cutâneo podem levar a uma aparência desagradável em relação à face interna das coxas. Em alguns pacientes, está presente somente o excesso de gordura sem excesso de pele. Nestes casos, a lipoaspiração está indicada como método para tratamento isolado. Quando o excesso de pele está presente, o tratamento envolve lipoaspiração e ressecção cutânea, associada à suspensão das coxas.
A cirurgia de suspensão de coxas também é chamada de cruroplastia ou coxoplastia. Geralmente as cicatrizes resultantes localizam-se na raiz da coxa e na face interna vertical da coxa. A extensão das cicatrizes depende do grau de flacidez e variam caso a caso. Ao término da cirurgia realiza-se um curativo e coloca-se uma malha compressiva local. Geralmente o paciente poderá retornar para sua residência no dia seguinte a cirurgia. Devendo retornar à clínica para troca de curativos, conforme solicitado pelo cirurgião.
O repouso deverá ser relativo, evitando realizar atividades físicas por um período de 4 a 6 semanas em média. As cicatrizes irão passar por todas as fases até atingir sua aparência final e como todas as cicatrizes terão restrição ao sol.
 

Mamas (mastopexia / mamoplastia)
A cirurgia das mamas nos ex-obesos visa corrigir a queda das mamas (ptose mamária) e melhorar sua forma e preenchimento, uma vez que o tecido mamário glandular vai sendo gradativamente substituído por tecido gorduroso ao longo do tempo. Na cirurgia é realizado o reposicionamento da aréola, remoção do excesso de pele e rearranjo do tecido (glândula mamária), de modo a compor o novo contorno das mamas. A correção da queda das mamas pode ser associada ao aumento de volume quando se utiliza implantes mamários de silicone (mastopexia com prótese). Em mamas muito flácidas, mesmo quando não se deseja aumento de volume, a utilização de implantes mamários pode ser vantajosa, pois ajuda a dar preenchimento e novo formato às mamas.
Na cirurgia, as cicatrizes ficam posicionadas ao redor da aréola, descendo verticalmente na mama e horizontalmente no sulco inframamário quando necessário (cicatriz em "T" invertido). Assim, buscamos realizar cicatrizes pequenas e discretas, mas suficientes para corrigir a ptose mamária.  O planejamento cirúrgico deve ser individualizado e deve ser discutido detalhadamente em consulta.
Exames como ultrassom e mamografia poderão ser solicitados no pré-operatório para investigar possíveis alterações nas mamas, como cistos, nódulos ou tumores. Devemos lembrar que o rastreamento do câncer de mama deve realizado anualmente para as mulheres a partir dos 40 anos, ou mais precocemente dependendo da orientação do Mastologista.
 

As recomendações pós-operatórias incluem repouso por cerca de 5 dias, além de repouso relativo com os braços por 2 semanas. O uso do sutiã cirúrgico é necessário por um período mínimo de 2 meses, pois também auxilia a cicatrização da mama na posição correta. O retorno às atividades físicas pode ocorrer após 1 mês da cirurgia, porém exercícios que utilizem os braços devem ser evitados por 2 meses.
 

 

Riscos
Toda cirurgia engloba alguns riscos, que fazem parte de todos os procedimentos cirúrgicos. Alguns deles são específicos das particularidades de cada procedimento. De um modo geral, os problemas mais comuns são infecção local, hematomas, pequenas deiscências e má qualidade na cicatriz. Todos eles geralmente são bem contornados de modo a não perder o resultado cirúrgico e não causar transtornos maiores, a não ser o atraso da recuperação da cirurgia.
Seguindo as orientações dadas e deixando de fumar com 3 semanas de antecedência, diminui muito as chances dessas complicações ocorrerem. Outros detalhes e dúvidas devem discutidos no ato da consulta médica.

 

Tire suas Dúvidas